12 de abr de 2010

Chorei entre as gentes.

Nem preciso começar, porque com vírgulas a bruxa já começou, talvez me caberia começar por um pon-to-fi-nal.

PON-TO-FINAL à flor da alma ele esteve alí, entre aquelas gentes todas vestidas em lãs, o frio amenizado pelo ar-condicionado e a alma aquecida por tanta vida vivida sem nem entender o por quê.

VÍRGULA e ele gostou do gosto salgado no paladar e ácido na alma do líquido-soro que desceu pela bochecha com barba de nem 24 horas, ela , ela estava falando da vida com ele no mecenê. E ele, ele chorou entre as gentes, ele foi alí no canto da tela do computador se recompor, mesmo estando parado diante da tela do computador.

EXCLAMAÇÃO d'Ela - a vida pede que eu apareça e eu não consigo ser. Ele falou da bruxa. E do bruxo que falava da bruxa. Caio num vácuo. Ela em mim, o vácuo.

DOIS PONTOS PULA UMA LINHA TRAVESSÃO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário